Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

baú das alembranças

baú das alembranças

O estigma das barracas

barracas.png

barracas II.png

 

Nos tempos em que vim emigrado para lisboa aí por volta de 1965 com 18 anos eram milhões os habitantes que Lisboa, Porto, Coimbra ou Setúbal tinham a viver nessas condições.
As pessoas foram lutando por uma vida melhor e foram a pouco e pouco se libertando desse estigma de viver em barracas.
Uns por iniciativa própria e sacrifícios mais ou menos elevados e outros com ajuda das autarquias foram conseguindo até chegarmos a cinquenta anos depois e quase não se ver uma barraca a servir como habitação.
Aqueles que ficaram para trás e nunca saíram da chafurdice em que viviam há cinquenta anos nunca lutaram nem para pedir ajuda.
São indigentes parasitas da sociedade e como tal merecem viver ou vegetar na mais profunda miséria.
Não tenho pena nenhuma de quem se sujeita a viver assim. Normalmente vive assim para ser motivo de pena e ser ajudado até no pagamento da água que bebe mas como nem ajuda é capaz de pedir fica sentado numa pedra à espera que passe no local uma cadeia de televisão para ser motivo de pena e consequente ajuda.

Histórias do Padre Francisco

fre tuck.png

 

Por isso é que padre de lá da paróquia dizia da outra vez ao atravessar a ponte de madeira onde a ribeira tinha um grande caudal: "Deus é bom mas o diabo também não é mau" E agora esta contava-se como verdade lá na minha aldeia: Na quinta da Avessada que fica entre Couchel e o Travasso havia um padre há muitos anos atrás que por acaso ou não alguém resolveu dar o nome dele a uma das ruelas da aldeia. Diz-se que tinha um caráter irrascível e sofria de dupla personalidade. Ouvi esta história aos meus pais ainda eu era chavalo: uma vez na altura do peditório da páscoa andando o homem mais o séquito lá pelas aldeias se depararam com uma travessia de uma ribeira com uma ponte periclitante e um grande caudal. Contava-se então que o velho padre Francisco já a meio da ponte se agarrou com as duas mãos à cruz e disse alto e bom som: Oh pá, Olha lá pela nossa vida. Se eu caio tu cais também. Mas havia mais.

O meu pai que se fosse vivo teria agora 110 anos contava-a como verdadeira mas havia outra do mesmo padre Francisco. Contava o meu pai que o padre Francisco além de muito bruto era também pessoa muito culta, ainda cheguei a ter na mão livros manuscritos por si e passava a vida a ler. Certa vez encontrava-se a ler numa das varandas do primeiro andar da casa e como estava vento um pessegueiro médio que havia no quintal não parava de abanar. O padre Francisco fervia com os nervos à flor da pele, desceu escada abaixo e com meia dúzia de safanões arrancou o pessegueiro pela raiz ao mesmo tempo que soltava um chorrilho de impropérios insultando tudo e todos incluindo o vento e o pobre pessegueiro.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D