Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

baú das alembranças

baú das alembranças

Ponte Europa de Carlos Esperança

5 – Salazarismo, amnésia e impudicícia – Crónica de fim de semana

Num país imaginário vivia um tirano num palácio, onde a governanta criava galinhas e se deslocava à praça para vender os ovos que sobravam do consumo doméstico.

Era um país triste, onde grassava a fome, a doença e o desespero, onde os homens se reuniam à segunda-feira na praça pública à espera de quem lhes alugasse os braços, do nascer ao pôr-do-sol.

O tirano tinha polícias que guardavam o Palácio e vigiavam o pensamento das pessoas; tinha os padres que, nas missas, punham o povo a rezar por ele e a pedir que lhe fosse concedida longa vida; tinha a Legião, a PIDE, a União nacional e a Mocidade para fazerem a sua apologia e vigiarem quem se lhe opusesse.

Era o País do medo, da miséria e, finalmente, da guerra que o tirano impunha de botas calçadas, com a manta sobre os joelhos e a comer carapauzinhos com feijão-frade.

Às vezes matavam-se uns adversários, que eram comunistas; outras, deportavam-se suspeitos que eram perigosos. Tinha juízes que eram pulhas e simulavam julgamentos nos Tribunais Plenários, tinha um cardeal que era um biltre, confundia o fascismo com a vontade divina, e milhões de vítimas que se conformavam com a tristeza, à espera de que a morte os libertasse do cárcere da vida.

Nesse país a mortalidade infantil era a maior da Europa, o analfabetismo ocupava o lugar cimeiro e, para morrer, eram os autóctones os primeiros a ser chamados.

O tirano morreu porque uma cadeira fez a tarefa que o povo falhou e o ciclo biológico cumpriu-se sem que lhe fosse feita justiça.

Foram morrendo os que o tirano não matou e outros, a quem nada disseram, nasceram. O tempo não se limita a eliminar pessoas, mata sobretudo a memória coletiva.

Assim, o país que resta divide-se entre os que viveram o pesadelo e os que vislumbram na náusea de um cadáver o mítico D. Sebastião na demência de impérios sonhados e paraísos inventados nas agruras do passado.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D