Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

baú das alembranças

baú das alembranças

carlos esperança crónicas

 A cadeira

9 – O Velório do Botas – Crónica de fim de semana

Foi em agosto de 1968 que uma cadeira, no Forte de S. Julião da Barra, deu esperança aos portugueses. O ditador ainda tinha a censura a defender-lhe a privacidade e a PIDE/DGS a aprisionar os adversários, mas já se debatia com um bravo hematoma que viria a ser saudado como herói.

Que a cadeira, uma simples cadeira corroída pelo caruncho, ousasse, na coragem dos corpos inertes, antecipar o fim do déspota, foi um ato de afoiteza que lhe valeu um lugar na História e ao caruncho a aura de santidade. A verdade até pode ter sido outra e ter a cadeira, graças à censura, fruído os louros devidos a um acidente vascular cerebral.

Soube-se lentamente que Salazar era mortal, dúvida metódica que muitas décadas de medo se tinham encarregado de acentuar, receio que remetia para confidências da Irmã Lúcia ao cardeal Cerejeira: o ditador fora escolhido pela Providência para governar Portugal, maldade divina que ameaçou eternizar-se.

No Hospital da Cruz Vermelha reuniam-se conselhos de ministros a fingir, para dar ao tirano a ilusão de que ainda dirigia o país que rezava, a mando dos padres, a implorar a cura. O desejo dos suplicantes aturdia o País urbano que temia a cura que devolvesse o enfermo à governanta, às galinhas que ambos criavam e a S. Bento.

Os boletins médicos descreviam o «homem providencial» como apirético e em risco de cura. Viveram-se momentos de pânico nos primeiros tempos em que Marcelo o revezou até sucumbir com o ar fresco de uma madrugada de abril.

No verão de 1970 fervilhavam boatos, enquanto os jovens continuavam a morrer nas colónias e os portugueses aumentavam o ódio à ditadura e a coragem de afrontá-la, nas deserções da tropa ou enfrentando-a nas universidades, nas fábricas e nas ruas.

Em 27 de julho desse ano a música fúnebre das emissões de rádio e de televisão soou aos ouvidos de muitos como um hino à liberdade. A notícia soube-se primeiro pelo ar feliz dos transeuntes, a informação ia passando de boca em boca, e pelos noticiários, depois. Morta a peçonha esboroar-se-ia o regime.

Na tertúlia do Café Nova York duvidou-se da veracidade da notícia. Ninguém tinha a confirmação de fontes estrangeiras e a credibilidade das portuguesas era igual à do regime.

O António Queirós e o Magalhães dispuseram-se a ir aos Jerónimos a confirmar o óbito. Ver para crer. Para o António era um ato de humor do antifascista de sempre. Para o Magalhães era a companhia do amigo e a decisão de quem sofria já de esquizofrenia que não mais deixou de apoquentá-lo e agudizar-se. Só o testemunho deles faria fé para os amigos. Partiram, a pé, desde Entrecampos, tendo a peregrinação e o sacrifício um valor simbólico que valorizava o testemunho e o gesto picaresco.

Quando os dois entraram nos Jerónimos – confirmou o António –, havia mais polícias do que pessoas, apesar da multidão que exibia o último ato de servilismo, gratidão ou, sabe-se lá, de alívio. Integraram a fila, com o Magalhães vestido esmeradamente, como sempre, e de preto, atrás do António. Foram avançando lentamente, ao compasso da fila, e logo reconheceram, junto à urna, Gabriel Monjane, o Gigante de Manjacaze, um negro moçambicano amável cuja desregulação hormonal o fizera crescer até aos 2,45 metros, com os horríveis padecimentos do gigantismo. Nessa altura ainda eles não podiam ver, nem adivinhavam, que junto ao gigante se encontrava o anão de Arcozelo, seu companheiro num circo que os explorava como «o homem mais alto do mundo e o mais baixo». Nunca se soube quem foi o prócere do regime que abrilhantou o velório com o número de circo que sublinhava a tragicomédia da cerimónia fúnebre.

O António progredia na fila, calmamente, com semblante adequado à circunstância, mas evocando os camaradas mortos a seu lado, na Guiné, os conhecidos que desertaram, os compatriotas emigrados e amigos presos, tudo por causa do tirano que jazia a curta distância, com honras de Estado, mas sem honra. Em contraste, o Magalhães impacientava-se. Perturbava-o a doença e não o acalmava a serenidade do António.

Lá chegaram, finalmente, junto do féretro. O gigante e o anão ali estavam integrando e acentuando o espetáculo pífio a que os destinaram. Cavalheiros de óculos escuros escrutinavam os passantes, enquanto as fardas militares e as vestes talares coloriam a cerimónia. Umas carpideiras, por devoção ou encomenda, quem poderia adivinhá-lo, estacionadas junto ao cadáver, completavam o quadro mórbido.

Mal chegaram junto do caixão, o Magalhães, cansado da demora e à beira de um ataque de esquizofrenia, encara de frente os homens de óculos escuros, olha com tédio as carpideiras, baixa o queixo, sacode a cabeça com vigor e, ato contínuo, vários desses vigilantes precipitaram-se sobre as mulheres e afastaram-nas.

O António apanhou um susto enorme e pôs o ar compungido que a ocasião e o pânico lhe impuseram. E só voltou a encarar o Magalhães depois de há muito terem deixado o mosteiro e os gorilas, cujos constrangimentos autoritários os levaram a obedecer prontamente ao primeiro gesto decidido de um doente psíquico. Bem integrado, aliás, na esquizofrenia coletiva em que o regime mergulhara.

caruncho.jpg

 Bravo aos herois da pátria entre os quais se conta um pequeno bichnho cahamado caruncho que ao ,longo de trinta e um anos minou lentamente a cadeira na qual se sentava o cancro da nação.

Bravo ao heroi caruncho que contratado talvez pelo Partido Comunista cumpriu  a espinhosa missão de escavacar lentamente a cadeira.  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D