Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

baú das alembranças

baú das alembranças

O mercado de trabalho

É uma verdadeira vergonha o que se passa no mercado de trabalho.
Só parece impossível é a ACT (Autoridade para as Condições de Trabalho) ou o Ministério da Solidariedade e da Segurança Social permitirem que situações destas existam e haver empresas que se comportam como autênticos esclavagistas.
Isto só pode ser ilegal.
É urgente divulgar esta vigarice e denunciar ao máximo para que não haja pessoas a serem ludibriadas por oportunistas e chico-espertos a valerem-se do desemprego e da ingenuidade.

Empresas especializadas em seleccionar candidatos a estágios não remunerados para depois os ceder/vender por cerca de 600 euros por três meses ou 900 por um ano, não lembraria ao diabo, mas lembra a estes gangsteres, proxenetas e parasitas que vivem do lenicidio, do jogo clandestino, de esquemas e de chantagem.

É preciso e é urgente identificar estas pseudo-empresas e  apresentar queixa às autoridades competentes contra este estado de coisas.

O Ricardo Arújo Pereira denúncia uma das empresas que opera no mercado nacional mas existem muitas.

Está mesmo a tornar-se um verdadeiro cancro na sociedade laboral e a maioria das empresas que se dedicam a esta actividade nem sequer estão inscritas no registo nacional de pessoas colectivas exercendo portanto actividade ilegal.  

Ponte de Couchel

A talhe de foice conta-se um pouco da história das cheias neste local.

Esta ponte foi construída nos anos quarenta quando só era transitável para alguns carros de bois ou burros, sem qualquer projecto e sem pareceres técnicos.

 Actualmente é vulgarmente utilisada por veículos de toda espéciecie incluindo camiões de transporte  com mais de trinta toneladas.

É uma ponte construída em diagonal ao fundo de uma rampa acentuada que termina em curva, sobre o leito da ribeira e a montante de uma curva, o que leva a transformar o respectivo leito em forma de funil tendo mais de três metros de largura na entrada para menos de dois metros e meio na saída das águas

Se a autarquia quiser fazer obras de requalificação de modo a acabar com o problema bastará o alargamento do leito da ribeira em cerca de um metro e de cerca de cinquenta metros de comprido a montante da ponte.

Coisa que uma retroescavadora giratória fará em pouco tempo. Embora depois seja necessário a reconstrução e reforço do muro que suporta a ponte e as terras agrícolas. Vamos esperando.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D